Tempo de leitura: 02:38 min

Re: Mind (em tradução literal, relembre) é a nova série japonesa original Netflix com temática de mistério, a produção e bem excêntrica e tem uma ideia, em teoria, muito interessante.

11 garotas do colegial despertam com sacos vermelhos nas cabeças, pés presos ao chão em uma sala que parece de uma antiga mansão mau assombrada. Ao despertarem elas começam a questionar os fatores que teriam levado elas, todas da mesma turma na escola, para aquela situação surreal. As jovens fazem parte de um grupo secreto autointitulado “As Perfeitas”. Elas utilizam as redes sociais para humilhar, denunciar, fazer bullying e expor pessoas que fazem coisas, segundo elas, pecaminosas ou socialmente condenáveis. Desse ponto, já sabemos o quanto elas são odiadas.

re: mind
Jovens com as cabeças cobertas.

Durante a evolução dos episódios de Re: Mind, as estudantes entram em várias conversas e discussões para encontrar os motivos deste show de horrores. Cada vez que uma delas expõe seus feitos e admitem algo, some da sala de maneira misteriosa. Além de serem expostas à sapos, ratos e a sala toda treme… enfim, é um pânico total.

Re: Mind consegue manter o espectador curioso e instigado até certo ponto. A série desperta aquela vontade de entender o motivo de todo aquele “teatro”. Mas logo nos primeiros episódios a narrativa fica chata, densa e enfadonha. Os 20 minutos do episódio parecem 60, é muita conversa desnecessária e falta de dinamismo. E para piorar, as interpretações são péssimas, tudo muito amador. As personagens são interpretadas por um grupo J-Pop chamado Keyakizaka46. Eu nunca às vi cantando, mas atuando… por favor Netflix, o que está acontecendo?

Todo a ideia interessante torna-se um suplício monumental, nem quando as coisas começam a ser reveladas a série fica boa. Depois de 5 episódios o espectador já está tão entediado que quer pular logo para o final. A Netflix está investindo muito em produções originais, mas deixando a qualidade de lado. De cada 10 filmes ou séries lançadas, 2 são realmente boas.

re: mind
Grupo das estudantes pousando para a foto.

A historia de Re: Mind não é clara em sua progressão e seus motivos. O roteiro utiliza de subterfúgios e flashbacks para confundir e despistar o raciocínio do espectador. Mas acaba falando de muita coisa, e no final não entrega nenhuma mensagem significativa. O motivo revelado nos episódios finais é ridículo, o real vilão ou vilã tem uma motivação bizarra, justificada da maneira mais idiota possível.

O drama é forçado, a narrativa é mau executada, o tema não tem definição e toda a série torna-se muito longa.  Os pontos positivos de Re: Mind ficam para seu cenário, ele tem o tom correto para uma história de mistério. E sua linda fotografia, possuidora de uma representação artística grandiosa. Porém, tudo acaba desperdiçado em uma grande enrolação sem motivos plausíveis, atuações péssimas e motivações mau elaboradas. Depois dessa série, em fico me perguntado se continua valendo à pena assistir todos os originais Netflix.

REVER GERAL
Geral
Sempre almejei ser orfão de pais bilionários, ganhar poderes com a radiação solar ou proteger a Deusa Athena, mas "One-above-all" não concedeu - me tais dádivas. Descontente com o destino que os deuses me impuseram tornei-me um leitor compulsivo, PCgamer, série maníaco e cultuador da força. Qual pílula você quer? A azul ou vermelha ?