The Witcher 3 Blood and Wine
Tempo de leitura: 04:24 min

Quando escrevi sobre Hearts of Stone, o primeiro grande DLC do excelente The Witcher 3: Wild Hunt, falei que a desenvolvedora polonesa CD Projekt Red dava uma aula de como fazer uma expansão relevante, que ampliava os horizontes do universo do jogo, trazia novos desafios, mecânicas e aprofundava seu protagonista. Pois bem, eles fizeram tudo isso novamente em The Witcher 3: Blood and Wine, segunda e provavelmente última grande expansão para o último capítulo da trilogia de Geralt de Rívia.

A trama de The Witcher 3: Blood and Wine

A trama, que se passa dentro (e não após) da história do game principal, leva Geralt à idílica Toussaint, na qual ele é contratado pela governante local para encontrar e eliminar uma sombria criatura que está matando vários nobres. Inspirada no sul da França, Toussaint tem sua paisagem tomada por vinhedos e plantações de flores, sendo habitada por pomposos cavaleiros e eventos da alta sociedade. O novo mapa é traz o mesmo detalhamento visual e qualidade do game principal. É também bastante amplo, com muito a explorar, oferecendo algo entre 20 e 25 horas de gameplay, e suas paisagens cheias de cores vibrantes são um contraponto perfeito aos ambientes cinzentos e arruinados pela guerra em Velen.

Imagem do Reino de Toussaint
Imagem do Reino de Toussaint

O contato do estoico Geralt com os cavaleiros de Toussaint e suas vestimentas bufantes e linguagem rebuscada traz um inesperado humor e leveza à narrativa sombria de The Witcher 3. Algumas missões secundárias são bem divertidas, como aquela em Geralt percorre um banco tentando preencher um formulário correto, claramente inspirada na sequência da repartição pública de Os 12 Trabalhos de Asterix. Blood and Wine, no entanto, não é apenas bom humor e diversão e sua trama principal é basicamente um conto sobre vampiros, que utiliza as criaturas para falar sobre laços familiares e de amizade e permite ao jogo expandir o modo singular como as crias da noite são tratadas neste universo.

Novos personagens e desafios

Apesar do vasto elenco de personagens intrigantes encontrados durante a estadia em Toussaint, o antagonista principal acabou sendo o menos interessante deles, principalmente quando tivemos um excelente vilão na expansão anterior em Elgierd Von Everec, mas é um problema ínfimo diante da qualidade narrativa exibida tanto nas missões principais (com direito a algumas boas reviravoltas) quanto nas histórias secundárias.

A nova aventura traz chefes desafiadores (mais do que os da campanha principal, pelo menos) e alguns novos tipos de inimigos como as centopeias gigantes e os perfurosos, um tipo de morto-vivo recoberto por espinhos que explode quando está perto de ser derrotado. As novas criaturas e chefões ajudam a manter interessante o já excelente sistema de combate do jogo, que também é beneficiado pela nova mecânica de mutações.

Novos inimigos
Novos inimigos

Mais novidades

O sistema de mutações permite dar algumas novas habilidades a Geralt, como adicionar um efeito congelante ao sinal Aard (que pode até matar instantaneamente inimigos) ou tornar o sangue do personagem tóxico (pensem no xenomorfo da cinessérie Alien), causando dano nos inimigos próximos toda vez que Geralt é ferido. Como são bastante poderosas, só é possível equipar uma por vez, mas o jogo nos estimula a conseguir novas mutações para habilitar mais slots para as habilidades, tornando possível finalmente equipar aquelas que tivemos que abrir mão anteriormente pelo número limitado de espaços. Tudo isso também funciona como um grande estímulo para nos aventurarmos no modo New Game + em dificuldades maiores para continuar expandindo e testando as habilidades de Geralt.

Tela de gerenciamento de multações
Tela de gerenciamento de multações

Além da nova mecânica, temos a possibilidade de mudar as cores das armaduras, basta comprar tintas ou encontrar as fórmulas para criar as suas próprias, oferecendo uma nova camada de customização. A expansão também traz um novo deck para gwent que representa a ilha de Skellige, acrescentando novas estratégias para o jogo de cartas. Outra adição em termos de jogabilidade são os novos conjuntos de equipamentos que quando usados juntos oferecem valiosos bônus de atributos e habilidades.

Conclusão

Com The Witcher 3: Blood and Wine a CD Projekt Red mais uma vez dá uma aula de como fazer DLC, trazendo uma aventura intrigante, nos apresentando a novos e interessantes lugares e personagens, adicionando elementos à jogabilidade e aprofundando a mitologia deste universo e seu protagonista. É tão bom que me faz lamentar que seja o último conteúdo adicional do jogo, pois por mais que seja uma despedida bastante digna para Geralt, também nos faz sentir saudade do personagem e de todo o universo construído aqui.

Nota

Nota 5
Nota 5/5

 Saideira

Fiquem agora com o teaser trailer oficial dessa expansão, divulgado no final do mês de maio.


Conte para nós o que vocês acharam dessa expansão e não deixe de compartilhar com seus amigos ;)