Tempo de leitura: 02:24 min

Vende-se está casa (The Open House, no original) é mais um filme original Netflix, dirigido e escrito pelos estreantes Matt Angel e Suzanne Coote. Eu gosto muito de assistir produções originais da Netflix. Mas nem sempre fico satisfeito, e assistindo este filme fiquei com a sensação de ter perdido horas preciosas do meu dia.

A narrativa acompanha Logan (Dylan Minnette) e sua mãe Naomi (Piercey Dalton), que após a trágica morte de seu pai precisam mudar-se temporariamente para uma casa de parentes que está para ser vendida. Para quem nunca viu, é muito comum em filmes norte–americanos, as pessoas colocarem um placa de “vende-se” na frente da casa e durante o dia deixá-la aberta para visitantes. A narrativa gira em torno disso.

O erro do filme começa pela motivação dos personagens para a mudança. Eles acabaram de passar por uma tragédia, e uma parente, em vez de dar abrigo para os protagonistas, os aconselha a mudar para uma casa entrando e saindo gente o tempo inteiro, em meio às montanhas com moradores com “cara de maluco”. Uma motivação completamente esfarrapada.

Logan durante todo o filme fica perturbado e desconfortável por estar naquele ambiente estranho em uma casa enorme, e fica desconfiado. Ele então explora os cômodos do local, e o lugar mais sinistro é o porão. Você já assistiu algum filme de terror em que o porão é o lugar mais assustador do mundo? Eu já perdi as contas! Clichê total.

Vende-se está casa - Logan no porão "assustador".
Logan no porão “assustador”.

A narrativa quer fazer o espectador ficar tenso e desconfiado o tempo inteiro, mas nada funciona. Somos apresentados a personagens desnecessários só para ter de quem desconfiar em uma ambientação chata e tentativas de sustos frustradas. Vende-se está casa não mostra sentido nenhum para sua existência, é um filme pobre e desnecessário.

Os protagonistas não possuem carisma algum e são enfadonhamente executados. Chega ao ponto do espectador torcer para aparecer um serial killer na casa para fazer uma velha perseguição e execuções clichês dos filmes slasher. Filmes como Sexta-Feira 13 e Halloween mereciam um Oscar comparados a este suplicio.

As atitudes e diálogos do filme não mostram nada para agregar ou enriquecer a narrativa, os personagens são estúpidos e agem de maneira extremamente questionável. A ideia do filme e colocar medo no espectador com luzes apagadas e ruídos acompanhados de uma trilha sonora praticamente inexistente. Nenhuma criança ficaria com medo do filme, a animação “A Hora da Aventura” é mais assustadora.

Vende-se está casa é uma enorme perda de tempo, o filme foi feito para fazer o espectador achar que está assistindo um filme de terror ou suspense. E no final você se pergunta, para que fizeram esse negócio? O único sentimento que tive, foi o de frustração. Não assista esse filme, faça algo melhor com seu tempo.

REVER GERAL
Vende-se está casa
Sempre almejei ser orfão de pais bilionários, ganhar poderes com a radiação solar ou proteger a Deusa Athena, mas "One-above-all" não concedeu - me tais dádivas. Descontente com o destino que os deuses me impuseram tornei-me um leitor compulsivo, PCgamer, série maníaco e cultuador da força. Qual pílula você quer? A azul ou vermelha ?