Tempo de leitura: 04:12 min

Imaginem se o diretor Quentin Tarantino decidisse transformar a tensa cena da taverna do seu Bastardos Inglórios (2009) em um longa metragem de quase três horas, misturando-a com algumas ideias de Cães de Aluguel (1992). É mais ou menos isso que acontece neste ótimo Os Oito Odiados que se passa quase inteiramente dentro de um hospedaria durante uma nevasca com um grupo de estranhos no qual ninguém é o que diz ser.

os oito odiados

Na trama, que se passa alguns anos depois da Guerra de Secessão dos Estados Unidos, o caçador de recompensas Marquis Warren (Samuel L. Jackson) se vê em meio a uma nevasca enquanto transporta os corpos dos seus três últimos alvos. Sem alternativa, acaba pegando carona na carruagem do também caça recompensas John Ruth (Kurt Russell), que está transportando a fugitiva Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh). A neve, no entanto, os obriga a parar em uma hospedaria na qual um grupo de estranhos também se abrigou. Confinados na casa por causa do mal tempo, o grupo vai aos poucos desconfiando das intenções uns dos outros e conforme se conhecem melhor vai aumentando a sensação de que algo muito errado está para acontecer na pequena hospedaria.

os oito odiados

Apesar de ser um filme preso a praticamente uma única locação e cuja trama se desenvolve principalmente através de diálogos, Os Oito Odiados jamais soa enfadonho ou cansativo e suas quase três horas de duração passam sem que se sinta. Os diálogos contêm a verborragia e senso de humor ácido que estamos acostumados a esperar do texto de Tarantino e contribuem para tornar únicos e exóticos cada um dos personagens, que também são beneficiados pelo cuidado das interpretações de seus atores. Se inicialmente o riso de Daisy ao ser golpeada por John parece indicar um tipo de prazer masoquista, conforme o filme avança vemos que na verdade é uma espécie de satisfação antecipada pela vingança que provavelmente se seguirá. Afinal, não seria um filme de Tarantino se toda a conversa inevitavelmente descambasse para um brutal espetáculo de ultraviolência na qual é difícil determinar que irá viver ou morrer.

O filme, no entanto, não é apenas um exercício de crueldade, uma vez que o diretor usa o contexto de fim da Guerra de Secessão (a própria hospedaria é dividida entre norte e sul em dado momento) para expor preconceitos enraizados na sociedade dos Estados Unidos, conflitos de classe e raça, bem como uma crítica ao modo como o Estado impõe a lei, que parece sempre estimular a violência e a predominância da “lei do mais forte”. São os mesmos temas e ideias que já tinham sido tratados em Django Livre, o que acaba dando uma sensação de deja vu embora suas considerações continuem relevantes assim como as discussões que elas trazem. Muito disso é incorporado no personagem de Samuel L. Jackson, um homem negro que caminha sozinho pelos ermos do estado do Wyoming, constantemente subestimado por sua cor de pele e que usa uma correspondência trocada com o falecido presidente Abraham Lincoln como uma espécie de garantia de civilidade.

os oito odiados

A carta é obviamente uma metáfora para a necessidade de reconhecimento de igualdade e do preconceito enraizado que norteia as relações sociais, nas quais se naturaliza tratar alguém como Warren como naturalmente inferior e precisasse da chancela de alguém “com autoridade” para ser tratado como cidadão. Do mesmo modo, assim como fez em Django Livre (lembrem da cena dos racistas encapuzados) as condutas preconceituosas e ofensas racistas são sempre tratadas em tom de exagero e absurdo, como se ele quisesse expor ao ridículo o comportamento racista, visando demonstrar o quanto essas pessoas são estúpidas, irracionais e patéticas. Assim como ele matou o nazismo no cinema (literal e metaforicamente) em Bastardos Inglórios, Tarantino parece aqui querer derrubar o racismo através do escárnio, nos expondo de tal modo à truculência e burrice ao ponto que fiquemos exaustos com tudo aquilo e não haja outra escolha senão desprezar o discurso odioso dessas figuras.

O diretor ainda se beneficia de um bom trabalho de câmera, cujas panorâmicas permitem que vejamos cada pedacinho das imensidão hostil das tundras congeladas do velho oeste, nas cenas internas o amplo escopo das tomadas se mantém deixando que conheçamos cada detalhe da casa em que os personagens estão confinados. Inclusive podemos perceber o que outros personagens estão fazendo ao fundo enquanto a cena se concentra em um ou dois deles, algo que certamente exigiu muito planejamento para organizar este amplo espaço de encenação. O filme derrapa apenas no uso da narração em off que quase sempre soa redundante, acrescentando pouco ao desenvolvimento da trama conforme se limita a descrever algo que já estamos vendo na tela.

Conclusão

Assim sendo, Os Oitos Odiados é mais um trabalho intenso, instigante e provocador de Quentin Tarantino, mesmo que o diretor se mantenha em algo que já lhe é familiar.

Nota

Bonus Stage

Fiquem agora com o trailer em HD de Os Oito Odiados.