Tempo de leitura: 03:24 min

Inicialmente Bright parece uma versão com criaturas fantásticas do competente drama policial Marcados Para Morrer (2012), também comandado por David Ayer, ao acompanhar o cotidiano de uma dupla de policiais em patrulha até que eventualmente tudo dá errado. É possível pensar também que o filme é uma espécie de Distrito 9 (2009) que troca humanos por alienígenas. Ainda que pareça uma mistura de elementos familiares, os minutos iniciais carregam uma promessa de algum tipo de metáfora social interessante, mas isso nunca se confirma.

A trama se passa em um universo alternativo no qual humanos coexistem com criaturas fantásticas como elfos, orcs e fadas. A história começa com o policial Ward (Will Smith), que está descontente em ter que trabalhar com um parceiro orc, Nick (Joel Edgerton), o primeiro da espécie a ser admitido na força. As coisas se complicam para eles quando encontram uma jovem elfa, Tikka (Lucy Fry), portando uma varinha mágica, um artefato de grande poder. Tikka é uma Bright, uma pessoa com dons mágicos que pode extrair poder de artefatos como a varinha.

Ward e Nick
Ward (Will Smith) e Nick (Joel Edgerton)

A este ponto as metáforas sociais construídas no início são abandonadas para que o filme se torne uma espécie de O Senhor dos Anéis ambientado nos dias atuais, com um grupo de heróis correndo contra o tmpo para impedir que um artefato de grande poder caia em mãos erradas e seja usado para ressuscitar o “senhor das trevas”.

A guinada de rumo seria menos incômoda se ao menos oferecesse boas cenas de ação ou de desenvolvimento de seus personagens, mas o filme não faz nada de interessante em nenhuma das frentes. Apesar do sangue e da violência gráfica as cenas de ação são burocráticas, não empolgam e são prejudicadas pela montagem picotada. A partir do momento em que sabemos que Tikka pode usar sua varinha para reviver pessoas, o filme também perde parte da sua urgência e senso de perigo. O arco da dupla principal é bem previsível, com ambos quebrando aos poucos a barreira de preconceito que os distancia.

Tikka (Lucy Fry)
Tikka (Lucy Fry)

Como comentário social, Bright não se sai muito melhor, se limitando em atestar lugares-comuns óbvios como a ideia de que a polícia existe para proteger os ricos e oprimir os pobres ou a dificuldade do ser humano em lidar com as diferenças. É também prejudicado por dar informações contraditórias em relação à construção de seu universo ficcional. Os orcs são tratados o tempo inteiro como cidadãos de segunda classe, nos fazendo imaginar que eles e os humanos são inimigos há séculos. No entanto, mais a frente na projeção, somos informados que a aliança entre todas as espécies que derrotou o primeiro senhor das trevas foi liderada por um orc. Ora, se um orc foi responsável direto por salvar o mundo e unir as espécies como é que eles são tratados como cidadãos de segunda classe? O que exatamente aconteceu para provocar isso? Essas e outras questões nunca são muito bem respondidas e com isso tudo parece frouxo e pouco coeso.

Se há algo a ser elogiado é a qualidade dos efeitos práticos e maquiagem usados para construir as diferentes espécies. Os orcs tem aparência bem realista, com as narinas se movimentando e conseguindo falar normalmente a despeito das próteses com presas grandes. Falar disso pode parecer algo pequeno, mas considerando que o mesmo não aconteceu com a meio-orc interpretada por Paula Patton em Warcraft (2016), que falava como se estivesse com a boca cheia de farofa, então há um trabalho competente do departamento de próteses em produzir algo que ajuda na caracterização sem atrapalhar os atores. Falando em orcs, Joel Edgerton em bem competente ao evocar o senso de deslocamento de Nick, alguém preso entre dois mundos e que não se sente pertencente a nenhum. Will Smith, por outro lado, interpreta Will Smith e o filme desperdiça atores como Noomi Rapace e Edgar Ramirez em papeis pouco interessantes.

Clique aqui para assistir