Esta lista de piores adaptações para o cinema é a prova que a vida de um geek cinéfilo é tortuosa e cheia de decepções. As grandes produtoras cinematográficas fazem trailers maquiavelicamente editados, com sinopses curtas e evasivas que despertam a curiosidade e enchem nossos frágeis corações nerds de esperança.

Como já vimos nas 12 melhores adaptações para o cinema. Devido a alguns fatores se faz necessário algumas alterações do material original para realizar uma adaptação. Mas, e quando as alterações são tão absurdas ao ponto de só o título ser uma semelhança? E quando o fã compra um ingresso e é bombardeado com algo que destrói com seu amado livro, HQ ou game?

Resolvemos listar as 12 piores adaptações para o cinema (em nossa opinião) comentando as “boas” intenções de Hollywood com nossas paixões.

1Dragon Ball Evolution (Anime)

Hollywood e suas toscas peripécias! Eu lembro muito bem qual tamanha foi minha felicidade ao saber do anuncio do live-action ocidental de Dragon Ball. Recordo de ter visto em uma revista as fotos de Piccolo e as esferas do Dragão. Meu sangue ferveu e quase eu viro um Super Saiyajin de tanta felicidade. Mas Hollywood mais uma vez me colocou em uma armadilha de ilusões e destruiu meus sonhos com uma Genki Dama maligna.

Lançado em 2009 com um elenco lamentável dirigido (como diria Vegeta) por um “verme” chamado James Wong e com orçamento de U$$ 30 milhões fomos (des)agraciados e traumatizados com Dragon Ball (des) Evolution. Um filme que representa o retrocesso nas produções de live-action no Ocidente. A produção não tem nada a ver com o amado anime de Akira Toriyama, tudo é lamentável, as lutas, os roteiros, o contexto, as atuações, etc.

É um pesadelo cinematográfico que nem merecia ser considerado uma adaptação, parece orquestrado por algum concorrente desalmado querendo acabar com a boa reputação de Dragon Ball no Ocidente. Nem quero mais escrever, estou triste!

2Street Fighter (Game)

Street Fighter: A Batalha Final merece estar na lista de piores adaptações para o cinema sem nenhuma duvida. Lançado em 1995 sobre a direção de Steven E. De Souza e protagonizado por ninguém menos que o maior astro das artes marciais na época, Jean-Claude Van Damme. Produzida pela Capcom com orçamento de U$$ 35 milhões, sendo que arrecadou aproximadamente U$$ 99 milhões.

Para ser sincero existem duas coisas boas nessa produção: a primeira é a caracterização e nacionalidade dos personagens que foi respeitada, isso com certeza chamou muito a atenção durante a divulgação. A segunda coisa boa, e mais importante, é que não teve continuação e soterraram esse filme no esquecimento. Toda a história foi modificada drasticamente, todos os personagens sofreram com isso, apenas usaram a imagem e o título do jogo para fazer um filme de luta com Van Damme.

O sonho dos fãs foi despedaçado, transformando o filme em uma das piores adaptações de games já feitas. A atual série Street Fighter: Iron Fist merece um Oscar comparado a produção cinematográfica de 94.

3Final Fantasy (2001)

Mas um filme baseado em nada da produção que inspirou o titulo. Por que simplesmente não colocaram outro nome?

Final Fantasy de 2001 foi dirigido por Hironobu Sakaguchi e Motonori Sakakibara, e produzido pela Square Company com um alto orçamento de U$$ 137 milhões. Mas mesmo com uma direção de peso, esse filme poderia ter recebido qualquer outro nome, menos o de Final Fantasy.

O filme se passa em uma Terra pós apocalíptica no ano de 2065, o planeta esta completamente destruído e sofre com ataques de seres fantasmagóricos fazendo os seres humanos se refugiarem em cidades protegidas por campos de força. Ok, né? A historia é interessante, mas tem o que haver com um dos títulos mais famosos dos games, o saudoso Final Fantasy?

O filme foi um completo desastre nas bilheterias, arrecadando aproximadamente U$$ 85 milhões mundialmente. A animação é muito bonita e até de alto nível para a época, poucas animações usavam tais recursos, mas a utilização do nome da franquia tornou tudo uma experiência lamentável.

Se tiver coragem assista ao trailer!

4Batman Eternamente e Batman & Robin (HQ)

Se vergonha alheia matasse… Em 1995 a Warner Bros teve a grande ideia de lançar Batman Eternamente (Batman Forever, no original). Estrelando um grande elenco: Val Kilmer, Tommy Lee Jones, Jim Carrey (no auge da carreira), Nicole Kidman, Chris O’Donnel e Drew Barrymore sobre a direção de Joel Shumacher (Garotos Perdidos, 8mm e Um dia de fúria).

A ideia do filme era remodelar a franquia do icônico morcegão para algo mais atual, moderno e menos obscuro. Joel Shumacher queria algo diferente retratado anteriormente pela obscuridade de Tim Burton, trazendo ao seu remake um pouco das cores e diversão da série de 66, com o toque das novas tecnologias cinematográficas. O filme tornou-se uma grande comédia baseada em Batman, com roteiro esdrúxulo e atuações lamentáveis, inclusive do próprio Jim Carrey.

A produção acabou arrecadando belos U$$336 milhões contra um orçamento de U$$100 milhões. Como dinheiro “cresce o olho”, em 1997 Joel Schumacher retorna com Batman & Robin, mas desta vez com George Clooney na pele do morcego e grandes vilões com Arnold Schwarzenegger (Sr. Frio) e Uma Thurman (Hera Venenosa). O filme é uma grande repetição dos mesmos erros de seu antecessor.

Somos bombardeados com falas toscas, uma grande comédia com efeitos sonoros dignos de desenhos animados “a la Looney Tunes”, cores e luzes utilizadas da pior maneira possível (parece uma boate), malabarismos ridículos sem fim, efeitos especiais bizarros (tem uma cena de surf aéreo ridícula) e ainda um Bat-Cartão para fazer compras. Graças aos deuses e a inteligência popular o filme foi um fiasco.

Arrecadando U$$238 milhões dos U$$125 milhões investidos, o projeto (que nunca era para ter existido) caiu no ostracismo, como consequência o Batman só ganhou outro filme 8 anos depois nas mãos de Christopher Nolan.

5Lanterna Verde (HQ)

O sonho de todo geek era estar vivo em uma época com tecnologia suficiente para a produção de um filme do Lanterna Verde, afinal não é fácil representar os poderes de uma das armas mais poderosas do universo. Eis que em 2011 sobre a direção de Martin Campbell (007 Cassino Royale e A Lenda do Zorro) Ryan Reynolds encarna o poderoso Hal Jordan com um orçamento de U$$ 200 milhões. Mas esqueçam o sonho, todo esse dinheiro foi desperdiçado em um pesadelo verde de proporções épicas.

Todo o investimento foi por água a baixo sendo tomado por um roteiro ridiculamente escrito de forma banal, parece que os roteiristas nunca leram uma HQ do patrulheiro espacial. Os efeitos especiais foram empregados pateticamente em roupas e cenários com um CG infantil digno de cut scenes de PS2 e os constructos gerados pelos anéis… (Nossa Sra. De Korungar me ajude!), parecia que uma criança estava usando o anel, tem até pista verde de Hot Wheels!!!

Além de tudo isso, ainda temos a ridícula representação de Parallax como se fosse uma nuvem de fumaça, ou podemos interpretar como se fosse uma bufa acompanhando a grande cagada feita pela Warner. Para colocar a cereja final vem a interpretação de Reynolds, instruíram o coitado a interpretar Hal Jordan como se fosse um palhaço, totalmente descaracterizado ou sem a essência do personagem das HQs.

Resumindo, Lanterna Verde é o filme de um palhaço que ganha um anel projetor de brinquedos e enfrenta uma massa de bufa gigante.

6X-Men Origins – Wolverine (HQ)

A cada tópico dessa lista das piores adaptações para os cinemas eu tenho lembranças as quais queria nunca mais lembrar. Em 2009 com direção de Gavin Hood (Ender’s Game, O Suspeito) tivemos o retorno de Hugh Jackman em X-Mens Origens: Wolverine, a ideia era contar a origem de um dos mutantes mais queridos nas HQs e daí começar uma nova linha de filmes contando as origens dos mutantes.

A premissa é excelente, o desejo de todos os fãs das HQs e também da trilogia de Bryan Singer, mas a FOX cometeu uma tremenda confusão. O início do filme é a única coisa boa, mostra o carcaju em uma sequência épica em vários momentos históricos, até anima o espectador desavisado. Mas tudo toma um caminho trágico, começando com os efeitos especiais feitos em alguma edição caseira com direito a garras parecendo confeccionadas de papelão.

E o principal, tudo sendo orquestrado por um roteiro cheio de furos feitos pelos raios do Cyclope com uma narrativa bagunçada pelos furacões da Tempestade. É um dos filmes com maior quantidade de personagens coadjuvantes desnecessários já criados. Com participações que não fazem diferença em nada, só para tapear nossos inocentes sonhos geeks. E quando achávamos que nada poderia ficar pior, aparece a representação mais escrota do Deadpool. Por favor Professor X, apague minha memória!

7Homem-Aranha 3 (HQ)

Eu sinceramente coloquei este filme na lista das piores adaptações para o cinema com um pesar no coração. Sam Raimi presenteou a horda de fãs das HQs com ótimos filmes do aracnídeo, principalmente o Homem-Aranha 2, onde temos a excelente representação do Dr. Octopus. Mas infelizmente, na maioria das trilogias, é produzido algo desagradável. E não foi diferente com Homem-Aranha 3 produzido em 2007 e protagonizado por Tobey Maguire (Homem-Aranha), Kirsten Dunst (Mary Jane), James Franco (Harry Osborn), Thomas Haden Church (Homem-Areia) e Topher Grace (Eddie Brock).

Homem-Aranha sucumbe pelo excesso de tudo. Excesso de humor (de mau gosto por sinal), excesso de vilões, excesso de cenas de pancadaria e excesso de efeitos especiais. Falando em humor, quando vi Peter emo e dançarino quase cometo suicídio na cadeira do cinema. Aquilo era para ser engraçado? Até hoje me questiono. Hollywood tem essa mania, quando filmes anteriores de uma franquia fazem sucesso e ganham U$$ os caras decidem produzir sequencias megalomaníacas.

Este terceiro filme merece ser esquecido, então eu trato o Homem-Aranha de Sam Raimi como uma excelente trilogia de 2.

8Mulher-Gato (HQ)

E quando a gente acha que já assistiu coisas ruins nesta vida vem a fatídica lembrança desta tortura cinematográfica. Ainda bem que como sua personagem a produção não tem 7 vidas.

Produzido pela Warner Bros, aqui eu percebo que a Warner já vem fazendo porcarias com os filmes de heróis a anos. O filme foi lançado em 2004 dirigido por Pitof (até o nome do diretor é ruim) e protagonizado por Halle Berry e da forma mais tosca possível, Sharon Stone.

Caramba, que roteiro ruim! Simplesmente deletaram toda a mitologia oficial da DC. Mulher-Gato se tornou uma mulher de classe média, bipolar que tem seus poderes e habilidades concedidos por um totem felino. Halle Barry estava com a bola toda nesta época, e a produtora talvez queria focar na imagem da atriz e em todo o seu auge de mulher mais sexy de Hollywood.

Mas foi um fiasco total, e com muito merecimento. O filme custou U$$ 100 milhões e só arrecadou U$$ 83 milhões mundialmente.

Se tiver coragem assista ao trailer!

9Hulk (2003) (HQ)

Antes de voltar para as mãos da Marvel, a Universal Studios lançou em 2003 um filme do Hulk protagonizado por Eric Bana e dirigido por Ang Lee. Finalmente os fãs, graças as novas tecnologias, veriam o verdão da forma magistral das HQs. Só que não foi bem assim.

Este é outro filme da lista das piores adaptações para o cinema que eu falo com um certo pesar. O filme não é tão ruim e detestável, digamos que foi mal executado de múltiplas formas. A premissa foi alterada de forma ousada, Dr. Banner já nasceu com sua genética alterada, fruto de experimentos realizados por seu próprio pai. Na vida adulta quando ele sobre o acidente com radiação gama, os poderes do monstro verde tomam conta dele ao ficar com raiva.

A premissa não é ruim, é até bastante aceitável, mas a direção se perde e somos jogados em cenas de ação enfadonhas, com CG de baixo nível e uma serie de sequencias de edições torturantes em longos e aparentemente infinitos 138 minutos de filme. Todo esse enfadonho roteiro segue culminando em uma megalomaníaca cena de batalha entre Hulk e seu pai monstro, uma luta com efeitos estranhamente exagerados e medonhos.

Mas graças a esse erro o monstro verde retornou a sua antiga casa e hoje nós podemos vê-lo juntos aos vingadores e até mesmo fomos presenteados com o Hulk interpretado por Edward Norton.

10Elektra (HQ)

Rapaz é complicado entender estes acionistas e produtores de Hollywood. O Demolidor de 2003 estrelado por Ben Affleck foi um fiasco de bilheteria e detonado por crítica e público, então porque fazer um spin-off? Essa decisão sem logica foi tomada pela FOX em parceria com a Marvel e em 2005 foi lançado o filme dirigido por Rob Bowman (Arquivo X e Castle) e novamente com Jennifer Garner na pele de Elektra.

Em minha opinião a melhor coisa do filme é a bela Jennifer Garner. O filme tem qualidade de série televisiva e mesmo assim não sairia da primeira temporada ou até mesmo do piloto. O roteiro é corrido e mal explicado, elementos icônicos das HQs são colocados na trama só para dizer que estão ali, sem desenvolvimento ou explicação.

Sinceramente não entendo como a Marvel apoiou essa empreitada, se bem que eles deviam estar precisando de dinheiro. A Marvel vive de sucatear e vender seus personagens para sobreviver. Ben Affleck deu sorte por não participar, se não iam dizer que era por causa dele. Já a linda Garner (coitada) foi enterrada no ostracismo. DC chama ela para fazer a Batwoman!!!

11Super Mario Bros (Game)

Uma “lágrima nerdica” caiu dos meus olhos ao lembrar deste filme. Na infância eu não tinha esse senso adulto crítico e chato, assistia a diversas produções na Sessão da Tarde com muito gosto, principalmente as com muitos efeitos especiais (mesmo toscos) e com títulos de games ou HQs, nem ligava para roteiro ou semelhanças com o material original. Podia ser a pior coisa da Terra, eu curtia! E um exemplo disso é Super Mario Bros de 1993.

O cumulo da tosqueira hollywoodiana, não existe um filme baseado em game mais horrível, e se tiver eu nem quero ver. Produzido em parceria da Hollywood Pictures e Nintendo, estrelando Bob Hoskins (Mario), John Leguizamo (Luigi) e Dennis Hopper (Koppa) com um orçamento de U$$ 48 milhões, sendo que só conseguiu atingir aproximadamente U$$ 20 milhões mundialmente. Super Mario Bros O filme, desceu pelo cano!

O filme é completamente nada haver com o amado game da Nintendo e nem vou falar dos efeitos especiais, porque se a história fosse boa poderíamos relevar devido a época da produção. Mas o roteiro é muito ruim, a única semelhança com o jogo é o título, nem o nome da princesa Peach eles colocaram certo. Que saudades da inocência infantil!

Se tiver coragem assista ao trailer!

12Percy Jackson e o ladrão de raios (Livro)

Encerrando nossa lista de piores adaptações para o cinema, temos a produção baseada nos livros infanto-juvenis da coleção Percy Jackson e os Olimpianos escrita por Rick Riordan. O livro é um grande sucesso mundial, e na tentativa de criar uma nova franquia de sucesso infanto-juvenil, como o fenômeno Harry Potter, no ano de 2010 a FOX incumbiu a Chris Columbus a tarefa de dirigir o filme Percy Jackson e o Ladrão de Raios.

O filme do filho de Poseidon desceu por água a baixo, para ser sincero afundou em águas profundas. O filme teve um orçamento aproximado de U$$ 137 milhões e faturou aproximadamente U$$ 227 milhões, sendo um sucesso de decepção de público e critica. Pior ainda foi a aceitação dos fãs da obra original, que viram vários pontos importantes serem alterados sem muita necessidade. Como por exemplo a exclusão do plot principal da saga!

Na verdade, se o filme fosse bom, as mudanças teriam sido aceitáveis, afinal sabemos que adaptações cinematográficas possuem diferenças do original, mas o filme é ruim mesmo.

Infelizmente não é o fim das piores adaptações para o cinema!

Nós só citamos uma fração das “cagadas” feitas por Hollywood. Existem bem mais tosqueiras para serem lembradas, e o pior de tudo, outras que serão produzidas. Para os fãs só resta aguardar, assistir e de forma arrebatadora criticar estes trabalhos de mau gosto. Mas mesmo com os mais severos traumas o coração geek sempre pulsa esperançoso quando ouve a noticia de mais uma adaptação.

E nesse clima vamos vivendo em uma relação de amor e ódio com Hollywood. Que a Força esteja conosco!